Meus queridos.

Inicio nossa reflexão de hoje,lendo um trecho do Terceiro volume da trilogia Um olhar e Três tempo,editada em 2012 pela Editora Unisul. Visão sobre a Aldeia Global,é como denominei esse terceiro volume,onde me concentro na análises do que vinha acontecendo no mundo naquela primeira década desse novo século,o Século  21.

Em programa que mantinha numa TV digital, à época ,sob o título “As dimensões do Poder Global” analisava ameaça da recondução do Presidente dos Estados Unidos,Jorge W. Bush, esse que costumava dividir os homens entre bons e maus, bons sempre ele e seus apoiadores,bons os mais fortes, maus os outros,os mais fracos. Bons sobretudo os fornecedores de petróleo através das corporações que lhe davam apoio,maus os que se negavam ,como aliás se lamentava ele pela voz de seu Vice Presidente Dick  Sheney:

“Deus não deu petróleo apenas a nossos amigos, temos que ir buscá-lo onde ele está.”

— A 11 de setembro de 2002 o terrorismo acabara de destruir as torres gêmeas de Nova York, o que  deu a George  Bush bons argumentos para intervir no Oriente Médio,onde estava o petróleo,

— lhe dava  bons argumentos para promover a Guerra  do Iraque,sob o falso argumento do desenvolvimento naquele país  de armas atômicas e biológicas,embuste que teve de reconhecer, mal passados dois anos e mortos alguns milhares de jovens soldados americanos e de crianças,homens e mulheres,do Iraque,mas isto não importava.Eram mais fracos.

–lhe dava,a Bush, bons argumentos para bombardear o Afganistão, sob a  razão de promover – a prisão do mentor do terrorismo,Bin Laden que se teria acoitado nas montanhas daquele país.Também se morriam homens,mulheres ou crianças,inocentes ou não,também não importava.

–Razões também havia para  restringir as liberdades individuais,na terra sagrada do individualismo ou a aplicação da tortura aos prisioneiros de guerra,ou aos presos confinados sem julgamento  na prisão de Guantânomo,

–razões havia,-se não as tivesse,se produziriam como as razões do lobo na  fábula do lobo e do cordeiro, para rejeitar o Protocolo de Kioto, pelo qual os países signatários se comprometiam a diminuir a emissão de carbono na atmosfera,diminuindo a ameaça  das mudanças climáticas e do aquecimento global ,

–enfim razões havia para levar ao ao extremo a globalização dos sistemas financeiros virtuais,os novos deuses  do mercado,cujos resultados começaram  a se revelar na crise da economia mundial de  2008, que até hoje afeta de forma mais aguda,como sempre,os mais pobre e os mais  fracos ,que emigram agora aos milhões, fugindo da miséria e da fome,cobrando seu preço aos desenvolvidos.

— Tais  questões que representam simplesmente o desprezo pelos compromissos éticos  nas relações entre as pessoas,a organização social e entre as  nações, se refletem até hoje na  perplexidades do mundo,apesar de Obama , continuando a ameaçar a espécie humana,o conjunto de suas relações civilizadas  e a sustentabilidade do Planeta.

Diante da ameaça de reeleição de George Bush,pelo ano de 2004 ,concluía aquela reflexão:

“Mas sei que a consciência do povo americano um dia vai despertar, num propósito nacional de conviver num mundo plural, plural de culturas, plural de idéias, plural de crenças e raças, plural de economias,um mundo de maior liberdade e de iguais  direitos para todos,onde a tecnologia permitirá, na plenitude, que desperte a massa de consciência,ainda que agora,em mais um equívoco cultural,o povo americano reeleja mister Bush-o Imperador.Eu sei que esse dia vai chegar,e que nenhuma força será capaz de impedi-lo.Se reeleito,ele,Bush, apenas estará atrasando um pouco o Caminho da história.

Quem viver,verá”, concluía a mesma reflexão,do ano de 2004 quando Bush foi reeleito.

.Mas a massa de consciência continuou crescendo, cresceu nos Estados Unidos,como no mundo, e quatro anos depois o mesmo povo americano elegeu e reelegeu Presidente da maior Nação do mundo, um negro,da raça negra ,tendo entre seus ascendentes,os de fé muçulmana,premio Nobel da Paz.

Voltemos agora a 2016,a eleição americana.

Nesse ano, a mesma  Massa de Consciência que cresce nos Estados Unidos como no mundo, há de eleger uma Mulher, Hilary Clinton,que talvez  não tenha a dimensão da líder que o mundo ou a  massa de consciência dos Estados Unidos e  do mundo ,espera.

Mas sua eleição terá significado sobretudo, na medida  que há  de representar a derrota do primarismo boçal de Donald Trump ,que deve estar fazendo enrubecer até o rosto de   George W.Bus.

Acesse meu querido amigo, minha querida, nossa rede Participação e Solidariedade,comente,divulgue, curta e compartilhe.

Grande Abraço

Osvaldo Della Giustina

 


 

 

DONALD TRUMP AND THE THREAT TO CIVILIZATION

My dears,

I start our reflection of today, reading a stretch of the third volume of the trilogy “A look and Three Times”, edited in 2012 by the Publisher Unisul. Vision about the Global Village is how I denominate this third volume where I concentrate myself into analyses of what was happening in the world in that first decade of this new century, the 21st century.

In a program that used to have in a digital TV, at that time, under the title: “The dimensions of Global Power” I analyzed the threat to a reappointment of the President of the United States, Jorge W. Bush, this one that used to divide men between good or bad, good always him and their supporters, good the stronger ones, bad the others, the weakest. Good mostly the providers of petroleum trough corporations who used to give him support, bad those who deny it as by the way he lamented through the voice of his Vice President Dick Cheney:

“God didn’t give petroleum just for our friends, we have to go get it where it is.”

— On September 11th of 2002 the terrorism just destroyed the twin towers of New York, what gave to George Bush good arguments to invest in Middle East, where was the petroleum.

— Reasons also had to restrict individual liberties in the sacred land of individualism or the application of the torture to prisoners of war, or to prisoners confined without trial in Guantanamo prison.

— Reasons had, if not had them, they would be produced as the reasons for the wolf in the fable of the wolf and the lamb, to reject the Kyoto Protocol, by which signatory countries committed themselves to reduce carbon emissions in the atmosphere, decreasing the threat of climate change and global warming.

–Anyway reasons existed to lead to extreme the globalization of the virtual financial systems, the new gods of the Market, which results started to reveal itself in the crisis of the world economy of 2008, that until today affects in a acute form, as always, the poorest and the weaken that emigrating now by the millions, fleeing from poverty and hunger, taking its toll on developed.

— Such issues that simply represent the contempt for the ethical commitments in the relationships between people, the social organization and among nations, are reflected until today in the perplexities of the world, despite Obama, continuing to threaten the human species, the set of civilized relations and sustainability of the planet.

On the threat of reelection of George Bush, by the year of 2004, I concluded that reflection:

“But I know that the American people consciousness one day will awake, in a national purpose to live in a pluralistic world, plural cultures, plural ideas, plural beliefs and races, plural of economies, a world of greater freedom and equal rights for all, where the technology will allow, in the fullness, that awake the mass consciousness though now more, in a one more cultural misunderstanding, the American people reelect Mrs. Bush – the imperator. I know that this day will come, and that no force will be able to stop him. If he is reelected, Bush, is only delaying a little bit the History path.

Who live, will see,” I concluded the same reflection, the year 2004 when Bush was re-elected.

But the mass consciousness keep growing, grew in the United States as in the world, and four years later the same American people elected and reelected again the President of the greatest nation in the world, a black men, of the black race, and among his ancestors the Muslim Faith, the Nobel Peace Prize.

Let us turn now to 2016, the American election.

In this year, the same mass consciousness that grows in the United States as in the world will have to elect a woman, Hillary Clinton, that maybe doesn’t have the dimension of the leader that the world or the mass consciousness of the United States and the world expects.

But her election will have a meaning above all, to the extent that there is to represent the defeat of the loutish primarism of Donald Trump that  should be doing redden the face of George W. Bush.

Access my dear friend our Participation and Solidarity network, comment, divulge, like and share it. A hug.

 

Postado em:
Last Modified: junho 1, 2017

Deixe uma resposta