Teoria e prática da Participação e da Solidariedade.

Os que tem acompanhado nosso site, ou acessado nossa página ,ou grupo do Faceboock, puderam ver que a  Participação e a Solidariedade, envolve as práticas individuais, de cada um, enquanto participante dos processos sociais,solidário na ajuda ao próximo, na praticada caridade ou na promoção da assistência social. Essa forma de praticar A PARTICIPAÇÃO E SOLIDARIEDADE É UMA FORMA LOUVÁVEL,TEM UMA DIMENSÃO ÉTICA,deve ser incentivada e difundida.

Mas nossa proposta, embora inclua essa dimensão individual, vai muito além. A Participação e a Solidariedade devem inspirar novas instituições, participativas e solidárias,em todos os campos da atividade ou da organização social,na política,na economia,na cultura,no lazer,de modo que a estrutura e os comportamentos sociais, ao invés de produzir a concentração- e a exclusão decorrentes-promovam a inclusão, e a cooperação. Por isto nossa proposta por uma sociedade participativa e solidária propõe uma reforma profunda,radical,nas instituições sociais,de modo que dessa reforma, resulte uma sociedade mais justa,mais humana,um mundo melhor onde o homem, todos os homens e não apenas alguns, possam alcançar sua plena realização.

Neste sentido, a diferença da sociedade atual, concentradora e excludente, da sociedade que propomos,solidária e participativa,há de ser uma diferençatão grande quanto foi a transformação por que passou a sociedade,ou a história, quando ultrapassou a organização feudal, ingressando na  sociedade industrial na qual ainda estamos vivendo,seja essa sociedade industrial capitalista,seja socialista.

A revolução da Ciência e da Tecnologia modernas, constitui um fenômeno muito maior, muito mais importante DO QUE DESCOBERTA DA MÁQUINA a VAPOR,QUE foi um dos fatores preponderantes na transformação da idade feudal para a idade industrial. PORTANTO, é o próprio desenvolvimento da Ciência e da Tecnologia que exigem uma mudança social tão grande, ou maior, do que aquela.Esta é a dimensão da reforma contida em nossa proposta.

De certeza só uma transformação nesta dimensão será capaz de superar as crises em agravamento em todos os setores da sociedade. Se não for feita, as pessoas e as sociedades, nós, eu e você, ou a próxima geração, a geração de nossos filhos e netos,irão pagar um preço muito elevado. Qual esse preço? Não sei. Não sou vidente nem adivinho. Só sei que o preço terá um tamanho proporcional ao tempo que demorarmos para fazer a mudança ou ao  tamanho dos desvios, ou das crises , que deixarmos que tomem conta do processo.

MAS HÁ OUTRAS DUAS dimensões que devem ter percebido os que acompanham nosso Site ou acessam nossa rede. Refiro-me, agora, à proposta da Participação e da Solidariedade, enquanto significa uma forma teórica de entender a sociedade, ou uma forma prática,de construí-la.

A proposta por uma civilização participativa e solidária envolve também essas duas dimensões, e isto precisa ser dito porque alguns têm dificuldade em perceber que toda prática pressupõe uma teoria que a explique, que a inspire, que está por traz da prática.Assim acontece em nossos atos, nós agimos conforme pensamos,conforme as convicções que temos,e isto é absolutamente humano. Assim acontece também na organização social.

O comunismo existe porque por traz existe, ou existiu a teoria marxista. O capitalismo existe porque por traz os teóricos do capitalismo ditaram leis ,ou normas de organização e funcionamento da sociedade. Toda natureza é assim. Não foi porque Isaac Newton descobriu que por traz da harmonia dos astros e de seu movimento, havia a lei da gravitação universal que o universo se sustenta.Se ela não existisse, independentemente da descoberta de Isaac Newton, haveria o caos que levaria à destruição do universo.

Assim nas sociedades , em sua organização e em seu funcionamento. Para que as sociedades funcionem,para que as crises,não levem a organização social ao caos, e este processo já pode estar acontecendo no Brasil e no mundo,  é necessário que haja uma teoria, um conceito novo e diferente. É preciso que não se fique só na teoria,no conceito.

É preciso que essa teoria inspire leis, políticas, formas de organização e  relacionamentos  sociais, formas concretas estabelecidas de acordo com a natureza da nova sociedade e adequadas ao processo de mudanças que a transformou, e continua transformando.

Neste sentido, nossa proposta deve ser entendida também em duas dimensões:

Enquanto teoria de organização social(política econômica,ética cultural,etc, ela SE BASEIA,ou se fundamenta na participação e na solidariedade,teoria que é desenvolvida no livro Participação e Solidariedade (I II). Em decorrência desta teoria, ela propõe, na prática que  a desconcentração(do poder,da economia, da cultura, da saúde, da educação, etc.) seja praticada no lugar da concentração, concentração que inspira, ainda hoje, a organização  política econômica e social, organização e prática que tem como consequência a exclusão.

Da mesma forma a cooperação, (entre pessoas, instituições, países, etc.) deve ser praticada no lugar da competição, que leva ao conflito à eliminação do mais fraco,e reforça à concentração . Tal mudança não se baseia apenas na bondade ou na conversão dos homens.

Na verdade, a velocidade e o poder da tecnologia chegaram a uma dimensão tal, que se não houver essa mudança, o Brasil e o mundo, caminharão para uma sucessão de crises cada vez maiores, no rumo do caos e de alguma forma de autodestruição. O mundo não vai acabar, nem o Brasil,mas o preço que haveremos de pagar será proporcional à demora de reverter esse caminho.

Resumo tudo repetindo: a participação e a solidariedade tem, por um lado, as dimensões individual e  política, ou social e, de outro, as dimensões teórica e prática.  Essas diversas dimensões são necessárias e essenciais, para que aconteça  a  verdadeira Revolução do terceiro Milênio, e se organize a nova civilização postecnológica ,participativa e solidária. Compartilhe, comente, acesse e acompanhe nossa rede através do faceboock, do site ou do youtube,e associe-se a nosso Grupo Participação e Solidariedade.