A primeira questão que desejo colocar é se o Brasil já chegou ao fundo do poço, ou se ainda estamos para chegar lá,se não for revertida a situação em que se encontra através de medidas seguras,transparentes e eficazes que nos permitam retornar.

A meu ver não.
Ao fundo do poço chegou a Síria. Ao fundo do poço está chegando a Venezuela.Em outro tempos ao fundo do poço chegou Cuba,com seus milhares de mortos e refugiados,ou a Rússia da era stalinista com seus milhões de mortos sacrificados para implantar o regime,a ditadura de 60 anos,regime que a tantos ainda continua inspirando.

Ou para ficar aqui mais perto, ao fundo do poço chegaram as ditaduras na Argentina com seus 12 mil mortos ou desaparecidos, ou o Chile de Pinochet com seus 24 mil. 24 mil,em dados oficiais. Anos de chumbo…..

O Brasil, graças a Deus,ou sei lá graças ao quê…não tem a experiência de ter chegado ao fundo do poço.Quão doloroso é…quanto sofrimento…existe nesse inferno onde ainda não  chegamos
Não queiramos empurrá-lo para lá, agora, como parece querem fazer alguns, levados por suas paixões partidárias ou de outras espécies, pela defesa ou ataque a favor ou contra esse ou aquele líder a despertar paixões irracionais,falsos líderes  cujas histriônicas mágicas fascinam a tantos, pequenos,minúsculos líderes para o Brasil, defensores,isto sim de pequenos ou grandes interesses,para seus inconfessáveis interesses a  que cada um atrelado, está comprometido a servir.

Entre esses inconfessáveis interesses é preciso denunciar de modo especial:
– a perda da consciência ,ou do exercício da ética,na vida pública,em geral reflexo da perda dos valores  da vida pessoal,crime do qual dcorrem todos os outros:
–  a busca e o exercício do poder em benefício próprio,não do povo ou do País,
– a corrupção representada também pelo desavergonhado assalto ao dinheiro público, mas também e sobretudo cometido pelos serviços que deveriam ser oferecidos à população mas que a incompetência ou a prevalência de outros interesses não permitem oferecer,
–  pelas obras públicas que nunca terminam ou que são mal terminadas,ou que,terminadas ou não ,são superfaturados pela propina,transformada em  pixuleco na linguagem dos bandidos, pelo mercado de compre e venda em que foi transformado o Estado e seus vendedores ou compradores medíocres que só sabem vender ou comprar mediante o suborno
– pela manutenção dos inaceitáveis privilégios, sejam de salários exorbitantes, seja diante dos crimes cometidos, responder à justiça em fóruns privilegiados tantas vezes solícitos e subservientes em protegê-los ao invés de condená-los,
– esses e tantos outros privilégios que fariam corar de vergonha qualquer cidadão honesto,mas que  no Brasil não fazem, ao contrário, se multiplicam em tantas outras formas, em tantos outras categorias e em tantos outros lugares.

Privilégios desumanos,porque recaem sobre a população,e quie se apresentam a ela disfarçados  em direitos adquiridos,como se o crime  gerasse direitos,como se a seqüência de crimes gerasse ao criminoso o direito de continuar cometendo-os.
Mas essa tese é ouvida,e praticada, a todo  momento,dita e repetida por advogados,por líderes classistas,por auto-intitulados juristas autores de pareceres, ou ocupantes de relevantes cargos,na sociedade ou na estrutura do Estado,inclusive no judiciário,onde a moralidade,a ética e a justiça deveria ter seu primeiro e derradeiro abrigo.

Sim meu caríssimo amigo, minha querida amiga, este é o momento de pensar o Brasil e discutir as formas de evitar que sejamos empurrados para o fundo do poço, para onde  podemos estar sendo levados,enquanto prevalecem a paixão cega no lugar do esforço,do debate,ou das propostas, em favor  de reconstruir o Brasil, de construir um novo futuro, onde esta deplorável deterioração ética tão grave,ou mais grave que a deterioração social ou econômica a que fomos levados e da qual,parece, não queremos,não sabemos,ou não temos muito interesse em sair, apaixonados seguidores de falsos líderes de pés de barro,que não tem competência,ou não querem construir um novo Brasil,porque é este que temos ou a que fomos empurrados, lhes oferece lama suficiente para a prática de seus crimes.

É hora sim de começarmos  pensar no Brasil e não ficar a atacar ou defender os falsos chefetes políticos,pretensos candidatos a perpetuar o caudilhismo político, que trazem na língua afiada a demagogia falsa de salvadores da pátria,por conta de quem já pagamos,o Brasil mais de uma vez pagou, um altíssimo preço.Mas nós,boníssimo povo brasileiro,tudo esquecemos,tudo perdoamos…ou não temos disposição de estudar e entender…pelo quê, custamos aprender…

Esta é a hora de pensar o Brasil e deixar que paguem por sua insignificância,esses que trouxeram o Brasil para a beira do abismo,apoiando-os e nesse apoio,abrindo-lhes espaço para que dêem o empurrãozinho final.

Que Deus não permita,ou sei lá,o povo brasileiro não permita, que tenhamos que experimentar o que é chegar ao fundo do poço,se não acordarmos…. se não nos dispusermos a mudar.

Acesse, meu amigo,minha  querida amiga.

Reflita,comente,compartilhe

Grande Abraço

Postado em:
Last Modified: junho 8, 2017

Deixe uma resposta

required